quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Cavaco Silva não existe


Seria estúpido comentar aquilo que não existe: Cavaco Silva não existe como Presidente da República; no lugar daquele que deveria ser o Presidente de todos os portugueses, habita uma paixão absolutamente negativa que impossibilita a coesão social nacional. Embora não seja seduzido pela filosofia pós-moderna de Jean Baudrillard - a lógica hiper-realista da dissuasão do real pelo virtual, condensada na expressão "o exílio do virtual", recorro ao seu crime perfeito - a abolição total da realidade, o assassínio da realidade e o extermínio da ilusão radical do mundo - para justificar a tese da morte real de Cavaco Silva: "Uma paixão negativa não se pode universalizar. Não se pode imaginar uma federação dos ódios. Quase teríamos vontade de que tal cenário se realizasse. Mas o pior nem sempre é certo. Doravante, há algo que escapa completamente à regulação social. Se não é o fim da História, é certamente o fim do social. Já não estamos na anomia mas na anomalia. A anomalia é o que escapa não só à lei, mas à regra. O que está fora de jogo, o que já não está em condições de jogar. A violência fomenta-se no fora-da-lei, a virulência fomenta-se no fora-de-jogo. Mas do que se fomenta exactamente na anomalia nós não sabemos nada. Quando um sistema alcança o universal (os media, as redes, os mercados financeiros, os direitos do homem), torna-se automaticamente anómalo e segrega virulências de todas as espécies: krachs, sida, vírus informáticos, desregulação, desinformação. O próprio ódio (de Cavaco Silva) é um vírus desse tipo".

Anexo: Como não vale a pena perder tempo com o defunto Cavaco Silva, aconselho a leitura deste post de um amigo brasileiro.
J Francisco Saraiva de Sousa

19 comentários:

Maldonado disse...

O Cavaco já começa a ver a sua reeleição por um canudo... :))
O comunicado de ontem transformou-o num Calimero...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim, a comunicação dele deixou-o sem roupa e um vasto sector do PSD exige o enterro do cavaquismo. Não vai ser reeleito, mas enterrado. Ele já é um defunto! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Aliás, como tenho procurado mostrar, o cavaquismo foi o maior erro depois do 25 de Abril: esse fantasma deve ser afugentado e enterrado.

Maldonado disse...

De facto no seio do PSD exige-se o fim da ideologia cavaquista...
Mas o mais preocupante é a ascensão do PP. Pelos vistos está em curso um novo PREC, que nada tem a ver com o do 25ABR: Processo Reaccionário em Curso... :/

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

E tentativa de golpe de Estado...

Ah, deixaram-me este comentário:

"Al-david deixou um novo comentário na sua mensagem "Casais do mesmo sexo":

- Hipócrita. Fala de ter conhecimento sobre uma matéria/assunto, mas solta que aqueles que são contra a homossexofilia (no texto, chamados de 'quem tem MEDO do igual') são homossexófilos. Apresente, então, sua monografia e ganhe o prêmio Nobel. Simples!"

Bahhhhhhhhh...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim, estamos em clima de guerra civil: os fascistas contra as forças democráticas e contra a modernização. É preciso unidade entre as forças democráticas! :(

Maldonado disse...

1. Quanto ao tal comentário, não me admiro que seja do mesmo reaça anónimo que me tem andado a tentar atazanar com ataques pessoais e insultos.

2. Concordo. Parece que agora deu para o povão ser facho... O mesmo que não vota, mas só sabe falar mal de tudo e de todos...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Ya, o problema da nossa democracia foi ter sido branda com os fascistas e agora sabemos o porquê: o PSD ultraconservador da Manuela não aceita a derrota. O povo que votou deu uma vitória à esquerda e é isso que a direita reaccionária - existe outra direita democrática - não aceita. Daí a comunicação do Silva! Aliás, suspeito que a não-aceitação envolve muitos cálculos financeiros! :(

Ah, não vejo todo o PSD ou mesmo todo o PP apoiar esse golpe de estado; pelo contrário, muitos já se demarcaram da Manuela e do Silva! O povo não quer fascismo, mesmo quando não sabe o que quer! Penso...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Aliás, a maior parte dos portugueses não liga a Cavaco Silva e não se preocupa com a sua segurança. Cavaco Silva não existe mesmo! É apenas um fantasma que povoa algumas vezes o ecrã da televisão, nada mais do que isso. Ninguém lhe dá importância, até porque não é uma figura interessante. Os comentários que ouço suspeitam da sua integridade mental e/ou cognitiva. Portanto, não existe de todo. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Bem, estava a pensar que as últimas obras de Baudrillard possuem o seu momento de verdade, sobretudo quando analisa a hipersexualidade. Porém, - SR - a sua crítica não tem afinidades com a de Nietzsche ou de Foucault. Aliás, numa dessas obras, ele tenta superar Foucault!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Assim, lendo Baudrillard à luz da ciberfilosofia, posso dizer que ele compreende a ciberfilosofia como uma anti-antropologia, no sentido da técnica ser a exclusão do homem. Ora, mesmo que aceitasse essa noção, continuaria a defender a transformação do mundo, agora justificada pela exclusão do homem: o niilismo como violência teórica ou terrorismo teórico não constitui saída.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Maldonado

O Al-David é brasileiro, tem blogue e pertence à igreja das revelações ou coisa do género. Logo, já todos conhecemos a sintomatologia dessa homofobia primária! :)

Sr disse...

ahahah baudrillard!! i love it :P

O gajo tava mesmo avançado qd pensou estas merdas. Leia-se e compare-se com a pp irrisão de todo este cortejo de ridiculos da politica pt arrastados pelo pp espectaculo com q pretenderam seduzir as massas:


«(...) Que homens são estes que precisam das sondagens para decidirem, para quem os testes fazem as vezes de estratégia?
São desprovidos de toda a iniciativa, e através da própria armadilha do médium ao qual confiam o seu poder. Todos os media encerram esta armadilha fascinante: aniquilam a função política de uma sociedade e satisfazem, assim, o inconsciente irónico das multidões cuja pulsão profunda permanece como o assassínio simbólico da classe política.
O povo, que sempre serviu de álibi ao sistema representativo, consolava-se oferecendo-se ao espectáculo da cena política. Hoje, vinga-se, oferecendo o espectáculo da sua desaparição. Julga-se sondá-lo, mas é ele que, no mesmo dia, vê em casa o espectáculo das flutuações da sua própria opinião, na leitura das sondagens(...).»


:))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Bem, o FCPorto venceu o Atlético de Madrid por 2-0. Durante a primeira parte, desesperei, mas depois das alterações foi um gozo ver o AM de joelhos. :(

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Nós no Porto seríamos muito felizes sem os episódios feios de Lisboa - o pesadelo. Precisamos de autonomia!

Sr disse...

LOL, n fosse o falcao tirar da cartola aquele toque genial e a esta hora o fcp ainda tava a ser fustigado pq tem vindo a jogar tão sofrivelmente, a ponto de nem conseguir marcar um golito à pior defesa da 1ª liga espanhola. :))

Qt à infl de nietzsche e bataille em baudrillard, gimi a breik, qq leitor persistente consegue intuir a mesma estrutura interna sem mesmo procurar pelo seu pp percurso intelectual:

http://www.bsfreud.com/nhbaudrillard.html

http://tenfuss.blogspot.com/2009/04/entrevista-jean-baudrillard.html


e o tal visionarismo à nietzsche

http://www.egs.edu/faculty/baudrillard/baudrillard-simulations-excerpt.html


^^

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Bem, o FCPorto já jogou com grandes e ontem - apesar de ausências de peso - venceu e bem. A equipa ainda é muito nova mas já vence.

Bem, Baudrillard escrever uma obra de ruptura - "Esquecer Foucault". E no seu pensamento último não reclama nada da linha de Nietzsche - não há afinidades entre ambos: o pensamento radical opõe-se ao pensamento crítico.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Ah, tinha esquecido que, em matéria clubística, é inimigo do Porto! :(

Sr disse...

LOL, quem disse? apenas n sou clubista. Ou se o sou, é apenas qd joga a selecção e clubes pt na europa. A nivel interno, exerço pensamento critico a 100% :P


Qt ao baudrillard e o foucault, bah, nao interprete essas coisas assi tao levianamente. Antes de mais, ele reviu( e desviou) a critica ao Foucault pra se centrar em coisas mais importantes:), depois, n nos devemos esquecer q ele sempre foi pela radicalidade e ironicidade da herança intelectual racionalista, da critica ao autismo em q a fil do suj tinha caído, coisa em q, obvio, tb acusou F de ter caido*