sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Filosofia Clínica e Reconstrução da Identidade

No post anterior apresentei uma obra de K.J. Gergen e, neste post, quero desafiar os filósofos a profissionalizar a sua actividade, pelo menos em alguns sectores. Uma área de profissionalização é ou deveria ser em Portugal a Filosofia Clínica. Por isso, recomendo a leitura de outra obra de Sheila McNamee e Kenneth J. Gergen, «Therapy as Social Construction» (1995).
Esta obra revela a riqueza de uma abordagem construtivista social do processo terapêutico, sobretudo no domínio da saúde mental, destacando a noção de vidas construídas socialmente, com fortes implicações nas nossas noções de eu, identidade e projecto de vida. Estas noções não são determinadas por um único "roteiro cultural", mas sobredeterminadas pelo contexto social e cultural do qual não podem ser dissociadas. Isto significa que a terapia construtivista social assenta num diálogo entre o terapeuta e o "cliente": estes trabalham juntos na co-criação de novas histórias de vida mais satisfatórias.
Mas esta é apenas uma perspectiva da terapêutica, aliás muito circunscrita ao domínio das chamadas "doenças mentais", como se nas outras doenças não fosse igualmente necessário "cuidar da alma" dos pacientes. A Filosofia apresenta outras abordagens, nomeadamente a fenomenológica, e não precisa que outros (psiquiatras, psicólogos clínicos, assistentes sociais, etc.) as apliquem em seu lugar: A filosofia académica deve zelar pelo futuro dos seus membros (alunos).
Para que os meus leitores não fiquem perplexos, darei alguns exemplos: A filosofia de Marx exerceu uma influência decisiva sobre o pensamento de Erich Fromm e de Wilhelm Reich, a filosofia dialéctica de G. LuKács permitiu a Joseph Gabel compreender melhor o mundo da loucura (a esquizofrenia), a filosofia existencialista de Jean-Paul Sartre foi assimilada pelo movimento da antipsiquiatria, liderado por R.D. Laing e D.G. Cooper, as terapias cognitivas (Aaron T. Beck) estão muito marcadas por determinadas tendências da filosofia da mente e pelo cognitivismo, a etnopsiquiatria (Devereux) ou a antropologia psicanalítica de Géza Róheim são profundamente marcadas pela filosofia, a psicologia de Karl Jaspers é já um clássico da psiquiatria, bem como a de William James, e até mesmo a filosofia existencial de Heidegger deu origem à analise existencial aplicada à psiquiatria por L. Binswanger ou às brilhantes análises de E. Minkowski, para referir apenas os casos mais evidentes dentre centenas deles que percorrem toda a história conjunta da medicina e da filosofia. O problema é que a filosofia ensinada nas Universidades portuguesas desconhece realmente a sua própria história e riqueza conceptual.
J Francisco Saraiva de Sousa

4 comentários:

Aveugle.Papillon disse...

Caro Francisco,

A Filosofia deve recuperar a utilidade terapêutica como nas éticas helenistas?
E sob a forma de "aconselhamento filosófico", é isso que diz? Sou um pouco céptica em relação ao ressurgimento da Filosofia entendida na relação de gabinete terapeuta-paciente...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O modeloo helenista constitui sempre uma referência. Mas os nossos conhecimentos são mais sofisticados. Defendo a filosofia clínica como área profissional. Exercida no gabinete ou consultório? Uma via mas existem outras. Neste aspecto, o casal Renaud fez bem dedicar-se à bioética; pelo menos, a filosofia não deixou a sua ética entregue a terceiros. O nosso tempo exige que a filosofia saia das academias...

Aveugle.Papillon disse...

Sim, entendo, que saia das academias, que deixe de ser só para alguns e que se democratize; e isso faz-se também na sua interacção com as ciências. É o seu imperativo de sobrevivência.
Apenas questionei a relação clínica, porque acho uma via "psicologizante" da filosofia. Como concordámos da outra vez, ela tem o seu espaço próprio e irredutível.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim. Por isso, deve dar o seu contributo nas mais diversas esferas da sociedade. Acrescentei alguns exemplos neste post.