sábado, 12 de janeiro de 2008

Sadismo, Masoquismo e Internet

Jozifkova & Flegr (2006) realizaram um estudo engenhoso para testar a hipótese evolutiva do sadomasoquismo, usando um «internet-trap-method», portando, um método de cilada na Internet instalado nos e-mail boxes disponibilizados, livre de custos, pela Czech largest Internet portal Seznam.cz.
Quando era registada uma nova conta de e-mail, os sujeitos eram convidados a fornecer informação acerca do género e da idade e a aceitar serem alvo de uma campanha de publicidade não-especificada. Dois banners neutrais, um para homens e outro para mulheres, foram exibidos na web interface de 202 083 homens e de 396 994 mulheres nos e-mail boxes durante um período de uma semana para os homens e um período de duas semanas para as mulheres. O banner era exibido apenas durante o primeiro acesso do utente ao seu e-mail box. Quando clicavam no banner, os participantes identificavam o seu próprio género, após o que apareceriam seis imagens exibindo pares de figuras a desempenhar determinados papéis de dominação e de submissão sexuais alternadas pelos géneros. Ou seja, eles tinham de escolher ícones com parceiros homossexual ou heterossexual de diferente posição hierárquica.
Os resultados mostraram que o parceiro dominante foi escolhido por 13,8% homens e 20,5% mulheres e que o parceiro submisso foi escolhido por 36,6% homens e 19,8% mulheres. Os parceiros homossexuais foram escolhidos por 7,3% homens e 12,2% mulheres. O maior número de pessoas que escolheram parceiros sexuais diferentes sugere que o status hierárquico desempenha um importante papel no sistema de acasalamento humano.
A hipótese evolucionista do sadomasoquismo parece ter passado neste teste. As mulheres submissas preferem parceiros dominantes e mais interessados no sadomasoquismo e os homens dominantes preferem parceiras submissas. Contudo, levando em conta a orientação sexual verificou-se que 58,6% dos homens gay e 50,9% das mulheres lésbicas estavam mais interessados no sadomasoquismo do que os homens (50,4%) e as mulheres (40,3%) heterossexuais. Estes resultados estão em conformidade com os resultados de outros estudos independentes.
Em Portugal, a situação parece não ser muito diferente desta observada na República Checa. Os homens portugueses tendem a preferir parceiras submissas e as mulheres, parceiros dominantes e interessados em sadomasoquismo. Porém, na cyberpesquisa, verificámos que, entre os homossexuais, os parceiros activos tendem a ser dominantes e preferem parceiros submissos e, portanto, passivos, e vice-versa. Nas sessões de sadomasoquismo, cujos participantes são recrutados secretamente via Internet, muitas das quais são mistas, o número de parceiros dominantes/activos tende a ser muito menor que o número de candidatos submissos/passivos, alguns dos quais são impedidos de participar. Além destas sessões, ocorrem frequentemente sessões de dominação e de submissão sexuais via web cam, de um lado do monitor o parceiro dominante ordena que o parceiro submisso obedeça a determinadas ordens, tais com praticar fisting ou introduzir vibradores ou outros objectos perfurantes dentro do seu ânus, simulando os actos de penetração, entre outras ordens que deve cumprir. Estas são sessões de sadomasoquismo ou de dominação e de submissão sexuais online. No entanto, muitos portugueses preferem ir à Holanda ou mesmo Espanha para satisfazer estes seus desejos parafílicos.
J Francisco Saraiva de Sousa

16 comentários:

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Papillon

Como deve ter reparado, tenho referido estudos que usam a Internet como meio e instrumento de pesquisa, tal como faço actualmente: Ciberpesquisa.
Os dados não são surpreendentes, mas foram obtidos de modo engenhoso. Portanto, admiro o desenho experimental da pesquisa checa. De resto, o estudo apresenta algumas lacunas conceptuais. Dos meus dados o mais relevante é a prática de sexual bondage via web-cam. Assumindo um perfil de "mestre" ou "amo", posso pôr os "escravos" a realizar as minhas ordens online. Sujeição sexual online! Dado interessante! :))

Aveugle.Papillon disse...

Quando digo q n são "surpreendentes" é porque não acrescentam nada ao que já se sabia. Não desprezo o método, e muito menos a partilha que faz.
Sobre a prática bondage on-line, segue o q se passa com o sexo on-line, a tal masturbação assistida de que já falámos. Pois é... interessante..., podem sujeitar-se ou sujeitar qq pessoa no mundo que assim queira. :))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Falta estudar o sentido de todos estes mundos vituais, aliás uma boa tarefa para a ciberfilosofia. E talvez o efeito isolamento estimulado por este uso da Internet.
Penso que a "aldeia global" precisa ser reformulada, porque neste imenso ciberespaço todos temos os nossos "cantos" e grupos preferidos. Novamente o constrangimento da nossa condição animal, simplesmente esquecida. Mais do que o esquecimento do ser, a nossa história é o esquecimento da nossa animalidade... :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mas devo confessar que nessas sessões online fiquei, por vezes, muito "surpreendido" e com dificuldade em compreender o sentido de tais acções ou práticas, até porque podia guardar a sessão. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

E uma situação curiosa é a que envolve adeptos do Porto e do Benfica. A rivalidade converte-se em "sex"... :)))

Aveugle.Papillon disse...

A internet funciona à semelhança de uma sociedade, da mesma maneira, agrupamo-nos por interesses... mas, e não sei se o percebi, recordando a nossa animalidade, isto é tudo matéria volátil, pura farsa! Pelo menos é isto que me gosto de recordar, e daí ser mais nihilista quanto à potencialidade da internet, do que democrática, como o Francisco. :)

p.s.: ahahahah o sexo está acima das preferências clubísticas! os do sporting, como têm todos muito bom gosto, reúnem-se ao vivo. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Não me lembro de ter "observado" online nenhum adepto(a) do Sporting. Essa variável não fazia parte do ciberestudo. :)

Aveugle.Papillon disse...

Claro q n se lembra, é como lhe digo... :)))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Reunem-se "ao vivo"... :)))

Manuel Rocha disse...

Jasusssssssss...o que não vai por aqui....

Vou ali corar e já volto....

PS: Eu não sou adepto de nenhum clube de futebol....

::))

Aveugle.Papillon disse...

eheheheh :)) não se intimide, caro Manuel. Já imaginou quantas vezes se pensa/fala/vê sexo por dia? "Multiplicai-vos...multiplicai-vos..." é o chamamento. E o sangue a correr desenfreadamente!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O Manuel ficou intimidado? Porquê? Também existe uma economia sexualis! :)))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Aquele caso da gordura é mais outro "bizarro"! Já lhe falei dos que preferem parceiros amputados? Qualquer dia faço post sobre isso... E sobre Egas Moniz! :)

Manuel Rocha disse...

Parceiros amputados ?!...

Não...isto é demais para mim...vinha reconciliar-me mas vou ter que ir corar outra vez...eu cá sou muito envergonhado !!! Para mim essas conversas sechuais só mesmo caladinhos e de luzes apagadas...de preferência aos sábados á noite que Domingo não se trabalha e uma pessoa sempre tem tempo para se recompor...

Mas nada dessas coisas sofridas...korrorrrrrrrrr...pior que isso só mesmo o novo logotipo da papillon ...brrrrrrrrr...


::))))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim, amputados... Ainda temos poucos estudos, mas prometo fazer um post sobre amputados. Não fique corado ou embaraçado! A Papillon citou a Bíblia... E devia ter citado os gregos... :)

Aveugle.Papillon disse...

[por razões sensualistas, é muito mais divertido citar a Bíblia do que os gregos... :)]