sexta-feira, 11 de abril de 2008

CyberPhilosophia ou Filosofia Electrónica?

"Cyberphilosophy", publicado pela editora Blackwell, é uma obra revolucionária que apresenta uma nova área da pesquisa filosófica: a cyberphilosophia definida como a intersecção da filosofia e da computação.
Descrição:
1. This cutting edge volume provides an overview of the dynamic new field of cyberphilosophy - the intersection of philosophy and computing.
2. Offers an overview of the latest developments in the dynamic new field of cyberphilosophy.
3. Shows how computing is influencing all major areas of philosophy, and vice versa.
4. Comprises a selection of newly written articles by international scholars.
5. Articles are organised around five standard philosophical themes - minds, agency, reality, communication and ethics.
6. Can be used alongside its sister volume, The Digital Phoenix as the basis for a course.
Tabela de Conteúdos:
Os artigos estão organizados em torno de cinco temas filosóficos padronizados na filosofia anglosaxónica: mentes e computadores, agência e computadores, realidade e computadores, comunicação e computadores e ética e computadores. Não compreende o tema fundamental que nos tem ocupado neste blogue "CyberCultura e Democracia Online", bem como no blogue "CyberPhilosophy": política e computadores, sociedade e computadores, economia e computadores, história e computadores, saúde e computadores, estética e computadores, enfim democracia e computadores.
1. Minds and Computers. Compreende quatro artigos: Peter Mandik: "Synthetic Neuroethology". John Barker: "Computer Modeling and the Fate of Folk Psychology". Marvin Croy: "Philosophy of Mind, Cognitive Science, and Pedagogical Technique". Anthony F. Beavers: "Phenomenology and Artificial Intelligence".
2. Agency and Computers. Compreende três artigos: Gene Korienek and William Uzgalis: "Adaptable Robots". Susan Stuart: "A Radical Notion of Embeddedness: A Logically Necessary Precondition for Agency and Self-Awareness". John P. Sullins: "Building Simple Mechanical Minds: Using LEGO© Robots for Research and Teaching in Philosophy".
3. Reality and Computers. Compreende três artigos: Luciano Floridi: "What Is the Philosophy of Information?". Randall R. Dipert: "The Substantive Impact of Computers on Philosophy: Prolegomena Computational and Information-Theoretic Metaphysics". Richard Scheines: "Computation and Causation".
4. Communication and Computers. Compreende três artigos: Patrick Grim: "Philosophy for Computers: Some Explorations in Philosophical Modeling". Colin Allen, Uri Nodelman, and Edward N. Zalta: "The Stanford Encyclopedia of Philosophy: A Developed Dynamic Reference Work". Charles Ess: "Cultures in Collision: Philosophical Lessons from Computer-Mediated Communication"
5. Ethics and Computers.: Compreende três artigos: Walter Maner: "Heuristic Methods for Computer Ethics". John Weckert: "Lilliputian Computer Ethics". Jeroen van den Hoven and Gert-Jan Lokhorst: "Deontic Logic and Computer-Supported Computer Ethics".

Sobre os Autores:
> James H. Moor is Professor of Philosophy at Dartmouth College. He developed early computer programs to teach symbolic logic and is the co-author of 'The Logic Book' (1998). He has been Chair of the American Philosophical Association Committee on Philosophy and Computing and a Fellow at the Harvard Information Infrastructure Project. He is co-editor of the journal Minds and Machines and a member of the editorial board for the journal Ethics and Information Technology. He is currently President of the Society for Machines and Mentality.
> Terrell Ward Bynum is Director of the Research Center on Computing and Society at Southern Connecticut State University. He has been Chair of the Committee on Professional Ethics of the Association for Computing Machinery and Chair of the Committee on Philosophy and Computing of the American Philosophical Association. For 25 years, he was Editor-in-Chief of the journal, Metaphilosophy. His previous publications include books, articles, video programs and CD-ROMs in applied philosophy, philosophical psychology, artificial intelligence, philosophy of mathematics, metaphilosophy and the teaching of philosophy.
A Cyberfilosofia é muito pouco conhecida em Portugal, embora lhe tenha dedicado dois blogues, este e CyberPhilosophy. Por isso, recomendo a tradução deste livro para língua portuguesa. Trata-se de um bom livro de iniciação, apesar de não abordar temas fundamentais para a elaboração da Cyberfilosofia, tal como a concebo, talvez porque os organizadores e os autores sejam alheios à tradição continental da Filosofia. O artigo "Culturas em colisão" é muito interessante e abre a via a novas pesquisas filosóficas, aliás já abordadas no meu último post. Contudo, neste blogue tenho utilizado outra designação para nomear este novo campo da pesquisa filosófica: Filosofia Electrónica, em vez de Cyberfilosofia.
Infelizmente, a filosofia nunca encontrou solo firme em Portugal, talvez porque os professores de filosofia tendam a ser predominantemente mulheres velhas ou homens pouco curiosos, incapazes de se interessar pelos computadores e as novas tecnologias da informação e da comunicação, preferindo garantir o seu posto de trabalho e, sobretudo, a remuneração e posterior reforma, para financiar a sua vida metabolicamente reduzida. Estas palavras são duras mas verdadeiras e sem verdade não há mudança qualitativa. As Faculdades de Letras ou de Ciências Sociais e Humanas afundam-se cada vez mais na merda que produzem.
J Francisco Saraiva de Sousa

15 comentários:

Renato Martins disse...

és talvez a unica pessoa que se dedica verdadeiramente a isto, isso é um facto. E por uma forma que chega a mais pessoas e que faz jus ao proprio estudo: A internet. Ha certemente mestrado e doutoramentos pouco divulgados infelizmente, esta obra seria uma boa ideia.

Parece-me q.b. pertinente o que dizes sobre o desinteresse nesta àrea quanto aos profissionais de filosofia: constato isso na reduzida afirmaçao que tema filosofia na blogosfera - ja reparaste que somos meia duzia de tipos? quase uma familia?

Os profissionais de filosofia ainda estao apegados á ideia romantica de que o pc anula os sentimentos. Seremos a-sentimentais? :-)

abraço

(ja te estava para perguntar isto a algum tempo: qual o futuro do Cyberphilosophy blog?)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Renato

O blogue da CyberPhilosophy devia ser integrado neste endereço, mas ainda não consegui mudar: colocá-los todos sob o mesmo endereço. Logo se vê! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Contudo, o CyberPhilosophy e este blogue coincidem em muitos temas! É difícil trabalhar e pensar neste nosso país! Estamos isolados e sem audiência ou companheiros de luta! as pessoas só querem pastar! Em termos de pensamento, o rebanho e o pasto são inimigos!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Como não sei se vou editar post tão cedo ou se volto a postar, deixi aqui enunciada a aporia, ou melhor, o dilema do meu projecto de cyberfilosofia. Defendi suavemente que esta tecnologia da Internet é o novo lugar da tradição, onde passado, presente e futuro podem ser reunidos e redimidos na tradição/traição. Contudo, vacilo entre um sujeito trágico e um sujeito barroco, entre a estetização da política (fascismo) e a politização da arte (revolução), enfim entre a catástrofe e a redenção. Subjacente está a ideia que este novo local da tradição é um local de política. Porém, também pode ser um local de luto e, nesse caso, predomina o sujeito barroco e a ciência é melancólica. BYE

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Tudo isto é devido às MASSAS! Consumidoras do mundo! O modelo da cisão de Heidegger tem o seu apelo, embora a tecnologia ameace a TERRA.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Porém, a vertente desperta e para a frente deste pensamento não dispensa o exercício da memória, individual e colectiva. Aliás, e educação deve ser vista como exercitar dessas memórias. Dispensar a memória é mergulhar na ignorância e de nada adiante recorrer às listas ou claculadoras. Essa interface é amnésia cognitiva! Despertar a memória é reunir passado, presente e futuro na tradição!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Precisamos dos corpos, ou melhor, da corporalidade, para comunicar através do computador? Ou tiramos maior partido do facto do corpo não ser visto pelos outros? Nesse caso, ensaiamos novas "identidades" livres do corpo! Até podemos imaginar e criar corpos diferentes do nosso corpo real! A cyberpesquisa exige-o: mudar de género é suspender a sexualidade do corpo... Uma questão cyberfilosófica!

Mariano Feio disse...

Excelente tópico para um novo post...já está a trabalhar nele ?

;)


Não partilho a ideia do Renato sobre a reduzida afirmação da filosofia na blogosfera. Faltar-lhe-á é qualidade, mas nisso não está sózinha nem o problema se reduz à blogosfera. Nesta estão cá vocês, portanto metam-se pelo meio e façam a V parte...e nem precisam postar todos os dias posts triplos, como faz o Francisco...:))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Podemos ser travestis ou transexuais virtuais! Ideia interessante: virtualidade como espaço de novas experiências infinitas!

Mariano Feio disse...

Hummm...a minha questão sobre o post em preparação era relativa à Memória Integradora...;)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mariano Feio

Vou preparar esse post, porque tenho o material.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mariano Feio

São dois posts diferentes: O Despertar da Memória é um; o outro é sobre o corpo ou a sua ausência na comunicação mediada por computador. Este último é um repto lançado ao livro deste post. :)

Renato Martins disse...

Olá Mariano.

Não concordo consigo, acho que se discute na blogosfera sim politica, demasiada politica do tipo palaciana. Ou seja, nao se discutem temas, mas sim explora-se as pessoas como se estas correspondessem aos temas. O pensamento portugues nao deixa de ser fait-diver.

Os poucos blogues que discutem as coisas ou tem uma clientela fixa ou andam as moscas. As pessoas preferem falar e usar palavras rebuscadas para "parecer bem" - tipo comprar um carro de luxo - aparencias...

Cultiva-se o ego por estes lados e pouco o que nao é de nós: a verdade.

Abraço

Aveugle.Papillon disse...

Mariano,

O Francisco agora vai postar 6 posts por dia, em que 3 dos quais contêm palavras como "sexo" e outras cujo sufixo é "-sexualidade", dado serem as mais procuradas nos motores de busca da internet. Pelo bem do seu ranking na technorati!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Papillon

Não ligo muito ao ranking da technorati, até porque deixa escapar muitos links. Apenas não compreendo porque me retiraram esses pontos! Não faço nada de especial para atrair links, nem peço que me linkem! Sabe isso... :))