terça-feira, 8 de setembro de 2009

DarkAlliance: PSD e Bloco de Esquerda

«O Bloco de Esquerda não será go-verno sozinho. Mas o líder bloquista recusa nomear com quem fará alianças. Para já, exclui o PS da maioria de esquerda».
Eis uma afirmação de Francisco Louçã, no Público de hoje, cujo significado oculto revela a natureza do Bloco de Esquerda - uma força política liderada por pessoas de Direita envergonhada ou de Esquerda totalitária e irresponsável, próximas do PSD, que visam dividir a esquerda genuína, de modo a entregar o poder à Direita e ao PSD da Manuela Ferreira Leite e de Alberto João Jardim, cujo objectivo é implementar no continente a asfixia da democracia que reina na Madeira. No entendimento delirante de Francisco Louçã, o Bloco de Esquerda pretende conquistar nestas eleições legislativas aquilo que nunca foi alcançado por outras forças políticas semelhantes no passado: dividir o PS e isolar a sua suposta ala centrista que ele identifica com José Sócrates. Ora, como esta pretensão política é fantasista, o descuido de Francisco Louçã - excluir o PS da maioria de esquerda - só pode ser o sinal de uma intenção oculta do BE: formar com o PSD uma maioria de direita, da qual o PS está naturalmente excluído. O discurso da asfixia da democracia - uma invenção do PSD retomada pelos partidos da oposição organizados contra o PS - deve ser lido literalmente, não como uma acusação contra o PS e a governação de José Sócrates, mas como uma pretensão política oculta de toda a oposição portuguesa: o desejo secreto do regresso à ditadura. A gritaria, a mentira, a manipulação da informação, a hipocrisia, a difamação, a calúnia, a propaganda, o insulto, a agressividade, enfim a histeria, que preenchem as campanhas políticas das oposições unidas contra o PS, abonam a favor desta leitura literal, ao mesmo tempo que levam a conjecturar sobre a natureza e a origem sexuais da asfixia. Dado não possuírem ideias próprias e programas racionais de governo, os líderes das oposições precisam de recorrer às suas experiências íntimas de sexual bondage ou mesmo de sadomasoquismo para animar as suas campanhas políticas e os seus debates ideológicos: o tema da asfixia da democracia projecta de modo enviesado um desejo secreto e pessoal para o âmbito da esfera pública. Os líderes da oposição não se excitam com ideias políticas, mas sim com fantasias sexuais: a asfixia erótica prolonga-se como projecto político de cunho sádico na asfixia da democracia. Os projectos políticos do PSD, do CDS, do BE e do PCP são projectos sádicos de conquista do poder - indiferentes ao sofrimento alheio que usam e manipulam em benefício próprio.
Na iminência do regresso do cavaquismo centralizador e despótico, ansiado pela "eterna noiva" (Dostoiévski) apaixonada de Cavaco Silva e pelos seus clones ideológicos, votar no Bloco de Esquerda é contribuir decisivamente para esse terrível regresso do cavaquismo geriátrico e cleptocrático e para a vitória da ditadura dos seis meses defendida por Manuela Ferreira Leite. Numa célebre palestra (Ver a 1º Barra de Vídeo), Manuela Ferreira Leite denunciou a chamada "arrogância do governo de José Sócrates", lançando-lhe o desafio de "suspender a democracia" durante seis meses, porque, na sua perspectiva antidemocrática, não é possível implementar reformas em democracia. Este desabafo não foi um mero lapso. Ontem na Madeira, a líder ultraconservadora do PSD voltou a repeti-lo e a consolidá-lo, apoiando publicamente o alargamento do sistema ditatorial e salazarento de Alberto João Jardim ao continente. Ao escolher o PS como o alvo exclusivo da sua luta política, o BE é um mero instrumento deste PSD reaccionário e ultraconservador: ambos os partidos desejam a asfixia da democracia. O PSD afastou das suas listas os militantes que pensam de maneira diferente da linha leitista. O BE já tinha feito o mesmo com o seu autarca de Lisboa, seguindo de perto o triste exemplo histórico do PCP e do CDS de Paulo Portas. Leitismo e louçismo são regimes totalitários de pensamento e de acção política. Quando defendem a liberdade de expressão da outra Manuela da TVI, fazem-no para liquidar a democracia, a sociedade aberta e o pluralismo defendidos pelo PS. Na história da democracia portuguesa, o PS foi o único partido político que, num período dominado pela hegemonia do PCP, lutou na rua pela liberdade de expressão: as oposições de direita e de extrema-esquerda não têm autoridade política e moral para acusar o PS de tentar condicionar a liberdade de expressão. Os projectos políticos do PSD e do BE e do CDS e do PCP são claramente inimigos da democracia e da sociedade aberta e, como tais, devem ser abatidos nestas eleições, com a concentração do voto do centro e da esquerda genuína no PS.
Manuela Ferreira Leite e Francisco Louçã partilham uma mesma visão do mundo - a visão de uma sociedade fechada - e uma mesma atitude - a personalidade autoritária. O facto da primeira querer privatizar tudo, incluindo o Sistema Nacional de Saúde, a Segurança Social e a Educação, e do segundo desejar nacionalizar as grandes empresas, os bancos e os seguros, as afinidades estruturais que os aproximam são mais fortes do que esta mera diferença de vocabulário político preferido, levando-os a firmar entre si uma darkalliance, tal como a que une Jerónimo de Sousa (PCP) e Paulo Portas (CDS). O sinal desta aliança negra que une estas quatro forças políticas maléficas e retrógradas evidenciou-se em torno do caso do BPN: tanto a Direita como a Esquerda reaccionária uniram-se para tentar punir o regulador, deixando os verdadeiros corruptos fora do alcance do domínio da lei. O discurso do combate contra a corrupção protagonizado por estas forças políticas é hipócrita. A falsidade deste discurso contra a corrupção indica um entendimento profundo entre as oposições: abater José Sócrates e o PS, com o objectivo negro de eliminar a única força política democrática que se opõe veementemente às tentativas de regressar a um modelo de sociedade fechada, quer pela via das privatizações globais e integrais conduzidas de modo cleptocrático (PSD e CDS), quer pela via das nacionalizações generalizadas (BE e PCP). Manuela Ferreira Leite e Francisco Louçã, Paulo Portas e Jerónimo de Sousa, partilham uma concepção musculada de Estado, muito próxima da concepção soviética, da qual o PS deve demarcar-se se quiser combater eficazmente a corrupção e a degradação do poder político. Quer seja usado para privatizar ou para nacionalizar, o Estado é dominado por uma burocracia - a nova classe dirigente - que se perpetua no poder através da dominação e do controle das instituições económicas, políticas, culturais e sociais. Um tal Estado burocrático e centralizador gera continuamente corrupção: as elites são sempre tentadas a adquirir riqueza, como o mostra a corrupção portuguesa.
Abaixo as forças totalitárias protagonizadas pelo leitismo (PSD) e pelo louçismo (BE). Abaixo os populismos geriátricos e miserabilistas protagonizados nas praças e nos mercados públicos por Jerónimo de Sousa (PCP) e por Paulo Portas (CDS). Todas estas forças políticas partilham a noção do poder político como instrumento para conquistar e garantir benefícios pessoais em detrimento do interesse nacional. Ora, uma tal noção é deveras sádica: o sadismo político das classes dirigentes nacionais deve ser levado a sério, porque só os masoquistas se conformam com estes líderes sádicos e indiferentes ao sofrimento alheio. A saúde mental de um povo reflecte-se no seu voto. Dispersar os votos em diversas forças políticas autoritárias é desejar ser voluntariamente escravizado e subjugado por elas: uma decisão perfeitamente masoquista que compromete o futuro de Portugal. O voto de protesto é profundamente irracional, porque funciona como um aliado da Direita mais imbecilizada e retrógrada, aquela que recusa a felicidade ou, pelo menos, uma vida sem angústia, aos portugueses. Só há uma maneira de escapar a este triste fado e essa maneira é votar no PS, renovando a sua maioria absoluta para lhe exigir maior inteligência política de esquerda. Vota PS.
J Francisco Saraiva de Sousa

30 comentários:

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Lamento não poder fulanizar este post, de modo a mostrar o perfil do poder político português. De qualquer modo, a noção do poder como instrumento para conquistar benefícios pessoais em detrimento do interesse nacional fica estabelecida. Porém, essa noção é deveras sádica e o sadismo da classe dirigente nacional deve ser levado a sério, porque só os masoquistas se conformam com estes líderes sádicos e indiferentes ao sofrimento. A saúde mental de um povo reflecte-se no voto... :(

Jorge Salema disse...

Muito bom este seu post. Só retirava as interpretações sexuais. O resto, estou quase 100% de acordo. dizer que se é de esquerda e rejeitar uma coligação com o PS no cenário de maioria relativa é, de facto, entregar o governo ao PSD e CDS/PP.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Dispersar os votos em diversas forças políticas autoritárias é desejar ser subjugado por elas - é uma decisão perfeitamente masoquista que compromete o futuro de Portugal. O voto de protesto é profundamente irracional, porque funciona como um aliado da Direita mais imbecilizada e retrógrada, aquela que recusa a felicidade ou, pelo menos, uma vida sem angústia, aos portugueses. Só há uma maneira de escapar a este triste fado e essa maneira é votar no PS, exigindo-lhe inteligência política de esquerda. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Jorge Salema

O sadismo foi utilizado aqui com muita ironia, mas tem fundamento. :)

Jorge Salema disse...

Foi uma surpresa este seu artigo, porque imaginava-o noutro espectro politico que não o do PS. Achava-o mais "esquerdalho" que eu. Sou da area do PS porque sou um liberal social democrata se assim podemos formular.

Trasparecia nos seus textos de filosofia um iderio diferente, Mais uma vez me recordei que o PS "abriga" muitas sensibilidades diferentes, dos sociais democratas aos marxistas.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

No debate de hoje na RTP1 moderado por Judite de Sousa, José Sócrates deixou Francisco Louça sem argumentos e caçado nas suas próprias fantasias esquerdistas infantis. De certo modo, a linha esboçada neste post cumpriu-se: Louça quer dividir o eleitorado do PS, o que será mal recebido e interpretado pelos eleitores socialistas, até porque Louça quer reduzir os "benefícios fiscais" da classe média e dos mais desfavorecidos. Sócrtes está bem preparado para arrasar a Manuela Ferreira Leite da Madeira do Jardim. Que triste figura ela fez! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Jorge Salema

Sempre fui socialista e voto incondicionalmente PS.

A social-democracia deriva da teoria de Marx, tal como foi protagonizada depois da cisão do movimento comunista internacional.

Ah, sou de tal modo liberal que alguns amigos dizem que sou marxista por acidente. Bem, o marxismo tal como o vejo não tem nada a ver com o ideal do comunismo. Aliás, sou absolutamente a-comunista e nunca senti-me atraído pela ideia de realizar uma tal sociedade, e isto com apoio na própria obra de Marx que lutou pelo alargamento da liberdade, da justiça e da democracia a todos. Para mim, a dialéctica é abertura total - uma luta constante contra as forças das trevas. Nada está garantido; luta é constante, assumindo formas diferentes em função das épocas e dos seus problemas. Mas nada disto é novidade: os teóricos de Frankfurt ou Bloch defenderam um itinerário semelhante, criticando o chamado marxismo soviético - aquele que ruiu com a queda do Muro de Berlim e que o BE e o PCP desejam fazer regressar com as suas nacionalizações globais. Amanhã falo disso neste post. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Há um aspecto que gostava de ver José Sócrates esclarecer nesta campanha: a regionalização. Porque, se tivéssemos feito a regionalização há mais tempo, tinhamos agora um bom instrumento para combater os efeitos da crise económica. Regionalização significa desenvolvimento económico e autonomia política: o Porto/Norte não pode continuar a ser sacrificado como tem sido para favorecer a região de Lisboa e do vale do Tejo - isto em termos da aplicação dos fundos comunitários. O Aeroporto Francisco Sá Carneiro não pode ser sacrificado para possibilitar a construção do novo aeroporto de Lisboa. Os problemas que vivemos aqui no Norte derivam desse centralismo que empobrece as regiões. Além disso, precisamos dinamizar as nossas elites locais e deixar de estar subjugados às fracas elites de Lisboa. A TV regional é um instrumento da regionalização racional; não precisamos de um RTP centralizada; as populações locais querem saber o que se passa nas suas regiões e não das intrigas palacianas de Lisboa.

O PS deve apostar no Norte/Porto para consolidar a sua base eleitoral: o voto no PSD não deu frutos bons no Norte. Empobrecido devido aos erros cavaquistas, o Norte deve votar PS. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Voltando ao assunto do post anterior: os materialistas consumados negam a existência dos estados mentais subjectivos e procuram vida extraterrestre. Porém, tenho estado a observar uma gata que chama pelas crias - três gatinhos - há quatro dias no local onde eles foram enterrados - talvez inadvertidamente, não sei - pelos homens que trabalham numa obra aqui perto. Ela "chora" mesmo e está desesperada. :(

Sr disse...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...
Porém, tenho estado a observar uma gata que chama pelas crias - três gatinhos - há quatro dias no local onde eles foram enterrados - talvez inadvertidamente, não sei - pelos homens que trabalham numa obra aqui perto. Ela "chora" mesmo e está desesperada. :(



Olá! :)

be cool, n esqueça q está sempre a projectar no outro a sua pp subjectividade e, pior, como notou nietzsche com a sua noção de fenomenalismo da conscª, a projectar a sua pp sensibilidade empirica num ser completamente distinto do humano
Basta ver q, dentro de poucos meses, seria a pp mãe a rejeitar as crias ;P


Vou ler o post, mas curto bem menos o socrates q o louça(o qual me é apenas indiferente, diga-se)

0/

Sr disse...

" a asfixia erótica prolonga-se como projecto político de cunho sádico na asfixia da democracia. Os projectos políticos do PSD, do CDS, do BE e do PCP são projectos sádicos de conquista do poder. (:::) "

Gostei desta ehehe
So que, imho, o socrates é q representa o grande centro difusor do sadismo politico(ate pelo seu centralismo e culto da personalidade), cabendo à oposição visivel a figura do nucleo duro falsamente moralista, invejoso e reaccionario :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Oi

Ainda não terminei o post, mas penso faze-lo mais tarde.

Sim, esse sadismo político está presente na vida política portuguesa, mas é difícil explicitar sem nomear - o que por princípio não faço. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sondagens e tendência:

PS 34,50%TENDÊNCIA +
PSD 28.90%TENDÊNCIA -
CDS 8.10%TENDÊNCIA +
CDU 7,10%TENDÊNCIA -
BLE 10,40%TENDÊNCIA -

As coisas começam a mudar e os portugueses acordam desse pesadelo chamado Manuela Ferreira Leite. É preciso desmistificar o sadismo geriátrico de Paulo Portas. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Eis o governo cavaquista do PSD da Manuela Ferreira Leite:

- Eduardo Catroga (PM),
- Alexandre Relvas (adjunto do PM),
- Medina Carreira (Finanças),
- Bagão Félix (Segurança Social),
- Rui Machete (Justiça),
- Miguel Cadilhe (Economia),
- João Carlos Espada (Educação),
- João Lobo Antunes (Saúde),
- Marcelo Rebelo de Sousa (Defesa),
- Joaquim Aguiar (Administração Interna),
- Martins da Cruz (Negócios Estrangeiros),
- António Carrapatoso (Obras Públicas),
- António Borges (Reforma do Estado),
- Miguel Frasquilho (Agricultura),
- Maria José Nogueira Pinto (Cultura),
- Paulo Rangel (Assuntos Parlamentares)...

- Nuno Melo (Banco de Portugal).

Votar no PSD ou no Bloco de ESquerda ou no PCP ou no CDS é entregar Portugal à Direita cavaquista ultrareaccionária. :(

Vota PS e liberta o futuro. :)

Sr disse...

Tive há pouco a oportunidade de ver um peq resumo do debate socrates-louçã de ontem e, lol, nada mais sintomatico do controle da dialectica e disciplina socraticas sobre os media q a análise q eles hoje fazem sobre esse mesmo debate.
LOL, é q não só n vi qualquer superioridade de argumentação sobre o louçã, como n vi tb qualquer esclarecimento inequivoco e sincero sobre as suspeitas q este levantou.
Ainda por cima, o tótó, visivelmente transtornadito por poder perder votozinhos merdosos qd o fustigam co epiteto "radical", em vez de insistir e radicalizar a argumentação sobre os pp pontos q evocou, faz um alinhamento n declarado no voto util co socas quase exige.
Enfim, é o país de bananas q temos :P

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sr

A luta é entre o PSD leitista-conservador e o PS. O voto de protesto no BE significa a vitória da direita e da sua coligação.

Hmmmm... Com os números e a crítica da política fiscal do BE, Sócrates tirou o tapete a Louça. O resumo que vi deve estar muito filtrado, porque a direita não quer maioria absoluta do PS; prefere uma maioria relativa para poder negociar e, em Portugal, negociar é corromper, isto é, dividir o bolo. :(

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

E a crítica das nacionalizações deixou Louça com cara de banana... :)

Sr disse...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sr

A luta é entre o PSD leitista-conservador e o PS. O voto de protesto no BE significa a vitória da direita e da sua coligação.

Hmmmm... Com os números e a crítica da política fiscal do BE, Sócrates tirou o tapete a Louça.

___________________


So vi msm o resumo, mas suponho q se refere aquela cena do louça querer retirar os abatimentos fiscais, não? LOL, mas precisamente, o louçã devia era ter insistido e radicalizado a ideia de q, maioritariamente, essas benesses tão à mercê somente de elites instruidas na burocracia fiscal e economica, dos mesmos q, se preciso for, tem ainda a instrução e os avençados necessarios pra utilizar paraisos fiscais etc etc
LOL, entao, o q vejo mesmo, sao estes gajos tipo louçã n fazerem mais q uma falsa oposição interna, mas depois, na hora da verdade, passam o testemunho, blah

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sr

Viu o filme - PS: I Love You? Coloquei-o na barra de vídeo para erotizar o PS. :)

Sr disse...

ahaha
lol, por acaso não, mas parece q andam mm tds coa noia das fitas.
Se o queiroz logo ganhar, eu vejo logo de seguida :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O mundo está completamente mudado e já não pode ser governado pela geriatria cavaquista ou qualquer outra. Estive a ver um novo vídeo - love gay couples - e a mudança está a ser operada, essa e tantas outras que uma criatura como a Manuela Ferreira Leite ou o zé-do-pipo nacional não compreende.

A geriatria portuguesa que nos governou nas últimas décadas não vale nada: só sabe afundar e recusar o futuro.

Hmmmmm... Será que a selecção vai vencer? Muito difícil... :(

Sr disse...

o Queirós nao é psd? assim partimos já em claro deficit mental :))

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim, o tal défice mental do psd é fatal... :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Abaixo a geriatria cavaquista e portuguesa! Vota PS e em José Sócrates, o homem-do-leme que vai levar a cabo a regionalização! :)

Regionalização significa desenvolvimento económico, autonomia e afirmação. Nós no Porto vivemos a nossa "nação" como Cidade-Estado! Queremos ser livres e autónomos! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Todo o pensamento que se apressa a rejeitar a liderança política é informe e absolutamente irracional: a democracia precisa de líderes firmes, inteligentes e corajosos, capazes de protagonizar o interesse nacional. Neste momento, o homem-do-leme é naturalmente José Sócrates. Vota PS! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Afinal, Portugal venceu a Hungria. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O debate de hoje entre Manuela Ferreira Leite e Jerónimo de Sousa - na TVI - revelou um Jerónimo vassalo de Alberto João Jardim que quer ilegalizar o PCP. Há uma sintonia total entre o PSD fascizante e o PCP fascizante: o PCP é um clone do PSD.

O que é espantoso é este PCP reclamar a herança de Marx, porque ele é uma traição vergonhosa ao espírito do marxismo. A partir de hoje, sou claramente anticomunista e penso que o BE - e o PS - deve combater o PCP. O PCP é uma vergonha, um nojo, um fracasso, uma naúsea, um vomito. O PCP é uma das razões estruturais do atraso e da crise estrutural de Portugal.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O PCP é um clone do PSD e, nessa condição hoje confirmada, não representa os interesses dos trabalhadores: a política sindical do PCP cria desemprego e serve os interesses do grande capital. Por isso, a líder do PSD estava sorridente com o seu capataz Jerónimo. Votar PCP é literalmente votar na direita mais reaccionária e conservadora. A Madeira respira a liberdade leitista-comunista porque é uma ditadura. A fome de um regime autoritário uniu-se neste debate. Um horror geriátrico cavaquista-jardinista! :(

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Quem defende uma ditadura de seis meses não é uma pessoa democrática. Quem defende o centralismo autoritário não é uma pessoa democrática. Manuela Ferreira Leite não é uma democrata e muito menos uma social-democrata. Está tudo dito e registado.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mais - Quem diz querer combater a corrupção, aceitando pessoas acusadas de serem corruptas nas suas listas, sem dizer nada sobre a corrupção do BPN ou do outro banco, não está a ser coerente e verdadeira. Manuela Ferreira Leite não faz o que diz fazer - incoerência total.

Jerónimo de Sousa só tem um alvo de luta política - o PS, como se os portugueses que votam no PSD fossem todos milionários: erro sociológico atroz cometido contra a teoria de Marx. O PCP é um partido ideologicamente avesso a Marx e ao próprio leninismo. PSD e PCP estão unidos na defesa de um modelo de sociedade fechada - aquela que asfixia efectivamente a democracia. Ora, se o PS asfixiasse a democracia, a sua voz mentirosa não seria ouvida e nós ouvimos a malícia do PSD e do PCP. Logo, não há asfixia democrática. Tudo isto é básico e evidente e os portugueses vão penalizar nas urnas estas mentiras.