quarta-feira, 19 de março de 2008

Cérebro e Genes dos Transexuais

A maioria dos indivíduos, sejam homossexuais, heterossexuais ou bissexuais, identificam-se como macho ou fêmea em concordância com o seu sexo anatómico. Este facto levou os teóricos da aprendizagem a pensar que a identidade sexual resulta da experiência de toda a vida de possuir órgãos sexuais femininos ou masculinos, reforçada pela educação e pela pressão social dos pais, dos irmãos e/ou irmãs e da sociedade em geral. Contudo, existem indícios da existência de uma representação do próprio sexo no cérebro, cujo desenvolvimento é, pelo menos parcialmente, independente das experiências da vida (Zhou et al., 1995, 1997). A prova disto advém do estudo do transexualismo e de outras síndromes (Wilson, 1999).
Os transexuais são indivíduos que acreditam que, na realidade, pertencem ao sexo oposto daquele que é indicado pelos seus órgãos genitais (G. Ramsey, 1998). Apesar da diversidade de transexualidades (R. Blanchard, 1985), existe um grupo central de transexuais que se caracteriza por um conjunto de características coerente. Durante a infância, os membros deste grupo apresentam um elevado grau de discordância sexual. Na idade adulta, as suas personalidades, avaliadas por toda uma variedade de testes psicológicos, apresentam um elevado grau de atipicidade sexual. Um homem transexual que pertença a este grupo central sente aversão pelo seu próprio pénis e especialmente pelo seu uso em actividades sexuais. Ele deseja viver e ser tratado como uma mulher. É sexualmente atraído por homens heterossexuais. Procura, e frequentemente submete-se, a tratamentos hormonais e a cirurgia de reconstrução ou mudança de sexo para alterar o seu corpo, tornando-o tão feminino quanto possível. Não apresenta sinais de perturbações psicológicas generalizadas. Uma mulher transexual que pertença a este grupo central apresentará as características reversas, tal como se se tratasse de uma imagem num espelho.

Para além deste grupo central, que constitui uma fracção substancial da totalidade das pessoas que requerem cirurgia de mudança de sexo, existem outros homens e mulheres transexuais que não apresentam todas estas características. Alguns obtêm prazer sexual do uso dos seus próprios órgãos sexuais. Alguns são sexualmente atraídos por indivíduos do sexo oposto. Alguns aparentam mesmo sinais de perturbação psicológica. Outros parecem situar-se numa posição intermédia entre transexual e homossexual ou travesti. Dadas estas diferenças entre transexuais, convém distinguir diversos tipos de transexuais.

A investigação biológica de características biológicas definidoras nos homens e nas mulheres transexuais tem revelado que determinados marcadores endocrinológicos, como o nível de testosterona nas mulheres transexuais (transexuais fêmea para macho) e a resposta atípica de hormona luteinizante ao estrogénio nos homens transexuais (transexuais macho para fêmea), bem como outros indicadores (Goh, 1999; Giltay et al., 1998; Elbers et al., 1997; Elbers et al., 1999; Giltay & Gooren, 2000; Kruijver et al., 2001; D. Slabbekoorn et al., 2000; Elbers et al., 1997), são sexualmente atípicos e dimórficos. Contudo, a descoberta de um núcleo sexualmente dimórfico (Zhou et al., 1995, 1997; Kruijver et al., 2000) forneceu a prova da existência de uma componente genética da transexualidade e o estudo das características dermatóglifas suporta o conceito da influência dos efeitos organizacionais das hormonas sexuais (D. Slabbekoorn et al., 2000).

Os transexuais têm fortes sentimentos, geralmente desde a infância até à idade adulta, de terem nascido com o sexo errado (Docter & Fleming, 2001; Wolfradt & K. Neumann, 2001). A possível etiologia psicogénica ou biológica da transexualidade tem sido objecto de debate durante muitos anos (Money & Gaskin, 1970-71; Gooren, 1990). Richard Green (2000) estudou uma amostra de 442 transexuais macho para fêmea, subdividida pela preferência de parceiro sexual (106 homossexuais, 135 heterossexuais e 46 assexuais) e verificou que o grupo dos homossexuais tinha um maior número de irmãos mais velhos do que os restantes grupos: cada irmão mais velho incrementava a orientação homossexual em 40%.

Mas o estudo mais importante é o que revela um núcleo sexualmente dimórfico. Zhou, Hofman, Gooren & Swaab (1995/97) mostraram que o volume da subdivisão central do núcleo do leito da stria terminalis (BSTc), uma área do cérebro que é essencial para o comportamento sexual (Kawakami & Samp; Kimura, 1974; Emery & Sachs, 1976), é maior nos homens do que nas mulheres. Um BSTc com tamanho feminino foi descoberto nos transexuais macho-para-fêmea. Além disso, o tamanho do BSTc não era influenciado pelas hormonas sexuais na idade adulta e era independente da orientação sexual. Este é o primeiro estudo que revela uma estrutura cerebral feminina nos machos geneticamente transexuais e que apoia a hipótese de que a identidade de género se desenvolve como resultado de uma interacção entre o desenvolvimento do cérebro e as hormonas sexuais (Swaab & Hofman, 1995).

Nos animais experimentais, as mesmas hormonas gonadais que determinam prenatalmente a morfologia dos órgãos genitais também influenciam a morfologia e a função do cérebro de um modo sexualmente dimórfico (Swaab et al., 1995; Money et al., 1984). Diversas diferenças anatómicas em relação ao sexo e à orientação sexual foram observadas no hipotálamo humano (Swaab & Hofman, 1995). Zhou et al. (1995) estudaram o hipotálamo de seis transexuais macho-para-fêmea (T1-T6), com a finalidade de descobrir uma estrutura cerebral que fosse sexualmente dimórfica, mas não influenciada pela orientação sexual, dado os transexuais macho-para-fêmea puderem ser «orientados» para cada um dos sexos no que se refere ao comportamento sexual. As suas observações iniciais mostravam que o núcleo paraventricular (PVN), o núcleo sexualmente dimórfico (SDN) e o núcleo supraquiasmático (SCN) não obedeciam a estes critérios (Swaab & Hofman, 1995).

Dado não se aceitarem modelos animais para as alterações de identidade, o núcleo do leito da stria terminalis tornou-se um candidato apropriado para esse estudo pelas seguintes razões: sabemos que o BST desempenha um papel essencial no comportamento sexual dos roedores (Kawakami et al., 1974; Emery et al., 1976). Foram descobertos não só receptores de estrogénios e de androgénios no BST (Sheridan, 1979; Commis & Yarh, 1985), como também o maior centro de aromatização no desenvolvimento do cérebro da ratazana (Jakab et al., 1993). Na ratazana, o BST recebe projecções principalmente da amígdala e providencia um poderoso input para a região preóptica do hipotálamo (Eiden et al., 1985; De Olmos, 1990). Conexões recíprocas entre o hipotálamo, o BST e a amígdala também foram documentadas em animais experimentais (Woodhams et al., 1983; Simerly, 1990; Arluison et al., 1994). Além disso, as diferenças sexuais no tamanho e no número de células do BST foram descritas nos roedores, as quais são influenciadas pelos esteróides gonadais no desenvolvimento (Bleier et al., 1982; Del Abril et al., 1987; Guillamón et al., 1988).

Também nos humanos uma parte caudal particular do BST (BNST-dspm) foi descrita como sendo 2.5 vezes maior nos homens do que nas mulheres (Allen & Gorski, 1990). A parte central do BST (BSTc) é caracterizada pelas suas células somatostatinas (553-54) e pela inervação do polipeptido vasoactivo intestinal (VIP) (Walter et al., 1991). Zhou et al. (1995) mediram o volume do BSTc a partir da sua inervação VIP. Os resultados foram os seguintes: O volume do BSTc nos machos heterossexuais era 44% maior do que nas fêmeas heterossexuais. O volume do BSTc dos homens heterossexuais e homossexuais não diferia de uma maneira estatisticamente significativa. O BSTc era 62% maior nos homens homossexuais do que nas mulheres heterossexuais.

A Sida não parece influenciar o tamanho do BST: o tamanho do BST de duas mulheres heterossexuais infectadas com Sida e de três homens heterossexuais infectados com Sida estavam dentro da média do grupo de referência correspondente. Os heterossexuais infectados com Sida foram, por isso, incluídos nos respectivos grupos de referência devido a propósitos estatísticos. Um pequeno volume do BSTc foi descoberto nos tansexuais macho-para-fêmea. O seu tamanho era somente 52% do encontrado nos machos de referência e 64% do BSTc dos machos homossexuais. Embora o volume médio do BSTc nos transexuais fosse ainda menor do que no grupo das fêmeas, a diferença não era estatisticamente significativa.

O volume do BST não estava relacionado com a idade em qualquer um dos grupos de referência estudados, o que parece indicar que o tamanho menor do BSTc observado nos transexuais não era devido ao facto deles serem, a este respeito, 10 a 13 anos mais velhos do que os homens heterossexuais e homossexuais.

O BTS desempenha um papel fundamental no comportamento sexual masculino e na regulação da libertação de gonadotropina, tal como demonstrado pelos estudos realizados na ratazana (Kimura, 1974; Emery & Sachs, 19776; Claro et al., 1995). Não existe evidência directa de que o BST tenha um papel similar no comportamento sexual humano, mas a demonstração de Zhou et al. (1995) de um padrão sexualmente dimórfico no tamanho do BSTc humano, o que está de acordo com a diferença sexual previamente descrita na parte mais caudal do BST (BNST-dspm) (Allen & Gorski, 1990), indica que este núcleo pode também estar envolvido nas funções sexual e reprodutiva humanas. Aliás, Simerly & Swanson (1987) e De Vries (1990) sugeriram que as diferenças de sexo neuroquímicas no BST da ratazana podem ser devidas aos efeitos das hormonas sexuais sobre o cérebro durante o desenvolvimento e na idade adulta.

Contudo, os dados humanos mencionados anteriormente indicam que o volume do BSTc não é afectado pelos níveis das hormonas sexuais adultas. O volume do BSTc de uma mulher com 46 anos que tinha sofrido, pelo menos durante um ano, um tumor do córtex adrenal que produz níveis sanguíneos muito elevados de androstenediona e de testosterona, estava dentro da média do das outras mulheres (S1). Além disso, duas mulheres pós-menopausa (com idades acima de 70 anos) tinham um BSTc de tamanho feminino completamente normal (M1, M2). Como todos os transexuais tinham sido tratados com estrogénios, o tamanho reduzido do BSTc poderia ser atribuído à presença de níveis elevados de estrogénios no sangue. Evidência contra esta suposição deriva do facto de que ambos os transexuais T2 e T3 mostravam um pequeno BSTc como as fêmeas, apesar de T2 ter parado de tomar estrogénios cerca de 15 meses antes de morrer, donde os seus níveis de prolactina serem também elevados, e de T3 ter parado o tratamento hormonal desde que um sarcoma foi descoberto cerca de três meses antes de morrer. Também um homem com 31 anos de idade que sofria de um tumor adrenal feminilizante que induz altos níveis sanguíneos de estrogénios, tinha, apesar disso, um BSTc verdadeiramente grande (S2).

Estes resultados poderiam ser explicados mediante a alegação de que o tamanho feminino do BSTc no grupo transexual era devido à falha de androgénios, dado todos eles terem sido orquidectomizados, excepto o T4. Por essa razão, Zhou et al. (1995) estudaram dois outros homens que tinham sido orquidectomizados por causa do cancro na próstata (um e três meses antes da morte: S4 e S3 respectivamente). Descobriu-se que o tamanho dos seus BSTc estava ao nível elevado da classificação dos machos normais. Apenas o tamanho do BSTc de um único transexual que não tinha sido orquidectomizado (T4) situava-se a meio dos valores dos transexuais. Não só cinco dos transexuais tinham sido orquidectomizados, como também todos usaram o «antiandrogen cyproterone acetate» (CPA). O efeito do CPA sobre o BSTc não se manifesta frequentemente, porque T6 não tinha tomado CPA nos últimos dez anos e T3 não tinha tomado CPA durante os dois anos antes de morrer e, no entanto, apresentava um BSTc de tamanho feminino.

Por conseguinte, as observações de Zhou et al. (1995) sugerem que o tamanho reduzido do BSTc nos transexuais macho-para-fêmea não pode ser explicado pelas diferenças nos níveis de hormonas sexuais na idade adulta, mas poderá ser estabelecido durante o desenvolvimento por uma acção organizadora das hormonas sexuais, de resto um ideia apoiada pelo facto de que a gonadectomia neonatal de ratazanas machos e a androgenização de ratazanas fêmeas induzirem mudanças significativas no número de neurónios do BST e suprimirem o seu dimorfismo sexual (Del Abril et al., 1987; Guillamón et al., 1988).

Considerado conjuntamente com a informação de animais, o estudo de Zhou et al. (1995) suporta, portanto, a hipótese de que as alterações da identidade de género podem desenvolver-se como resultado de uma interacção alterada entre o desenvolvimento do cérebro e as hormonas sexuais (Swaab & Hofman, 1995). A acção directa de factores genéticos deverá também ser levada em consideração a partir de experiências com animais (Pilgrim & Reisert, 1992). Também não foi descoberta nenhuma relação entre o tamanho do BSTc e a orientação sexual dos transexuais: cada um deles era macho-orientado (T1, T6), fêmea-orientado (T3, T2, T5) ou ambos (T4).

Além disso, o tamanho do BSTc dos homens heterossexuais e dos homens homossexuais não diferia, o que reforça o conceito de que o tamanho reduzido do BSTc é independente da orientação sexual. Também não havia diferença no tamanho do BSTc entre o subconjunto mais jovem (T2, T5, T6) e o subconjunto mais velho (T1, T3) dos transexuais, o que indica claramente que o tamanho reduzido do BSTc está relacionado com a alteração da identidade de género per si, e não com a idade em que se torna manifesto. De modo interessante, o reduzido BSTc nos transexuais parece ser uma diferença cerebral verdadeiramente local.

Lhou et al. (1995) não conseguiram observar mudanças similares em três outros núcleos do hipotálamo, nomeadamente nos PVN, SDN ou SCN nos mesmos indivíduos. Isto pode ser devido ao facto destes núcleos não se desenvolverem todos ao mesmo tempo ou a uma diferença entre estes núcleos e o BST em relação à presença de receptores das hormonas sexuais ou de aromatase.

Contudo, um outro estudo, levado a cabo por Wilson, Chung, De Vries & Swaab (2002), mostrou que a diferença sexual no volume do BSTc, a qual se torna significativa somente na idade adulta, se desenvolve muito mais tarde do que seria de esperar. A diferenciação sexual do BST da ratazana ocorre nas primeiras semanas depois do nascimento e requer diferenças perinatais nos níveis de testosterona (Del Abril et al., 1987; Chung et al., 2000). Nos seres humanos, os níveis de testosterona durante o desenvolvimento fetal e neonatal são muito mais elevados nos machos do que nas fêmeas (Abramivich & Rowe, 1973; Winter, 1978). Além disso, alterações dramáticas nos níveis de testosterona nos adultos não têm efeitos óbvios sobre o volume do BSTc tanto nos machos como nas fêmeas (Zhou et al., 1995; Kruijver et al., 2000). Por causa disso, supunha-se que o BST divergia precocemente entre machos e fêmeas durante o desenvolvimento. Além disso, a diferenciação sexual dos núcleos sexualmente dimórficos da área preóptica e de outras áreas do hipotálamo anterior humano ocorre entre os 4 e os 10 anos de idade (Swaab & Hofman, 1988; Swaab et al., 1994).

Assim, a diferenciação tardia do volume do BSTc nos machos e nas fêmeas poderá ser uma característica geral do BST humano. Este conceito é apoiado por diversos estudos. O BST-dspm parece tornar-se sexualmente dimórfico aproximadamente na puberdade, como é indicado pelos períodos de tempo de desenvolvimento que foram incluídos no estudo de Allen & Gorski (1990). Com efeito, o BST-dspm parece ser menor nas fêmeas do que nos machos a partir dos 14 anos de idade (Allen & Gorski, 1990). A diferenciação sexual relativamente tardia também foi observada no hipotálamo do porco. O número de células do núcleo sexualmente dimórfico contendo vasopressina e oxitocina do hipotálamo do porco aumenta nas fêmeas pós-adolescentes mas não nos machos (Van Eerdenburg & Swaab, 1994).

Estudos recentes também mostraram que diversas regiões no cérebro humano e primata adulto produzem continuamente novos neurónios e mudam no volume das matérias branca e cinzenta (Eriksson et al., 1998; Gould et al., 1999; Gur et al., 1999; Sowell et al., 1999). Além disso, mudanças morfológicas marcadas no cérebro humano, incluindo a diferenciação sexual, podem não estar limitadas à infância mas estender-se até à idade adulta.

Existem diversas explicações possíveis para a falha de uma diferença sexual no volume do BST logo após surgirem as diferenças sexuais fetais e neonatais nos níveis de testosterona. Os efeitos organizacionais da testosterona sobre a diferenciação sexual podem tornar-se claros mais tarde na vida. Um exemplo de uma longa demora nos efeitos organizacionais dos esteróides gonadais é o desenvolvimento do núcleo periventricular anteroventral (AVPv) sexualmente dimórfico no cérebro da ratazana, o qual é maior nas fêmeas do que nos machos. Apesar das diferenças sexuais perinatais na testosterona provocarem esta diferença sexual no tamanho do AVPv, o seu volume torna-se apenas significativamente diferente aproximadamente na puberdade (Davis et al., 1996). Alternativamente, é provável que as diferenças sexuais nos níveis de esteróides gonadais peripubertais ou adultos estabeleçam a diferença sexual no volume do BSTc na idade adulta. Embora os androgénios e os estrogénios na puberdade provoquem o desenvolvimento das características sexuais secundárias nas estruturas periféricas do corpo, não existem dados sobre efeitos similares sobre as estruturas do cérebro humano. Contudo, dados provenientes de seis casos relatados em estudos anteriores sugerem que o volume do BSTc, tal como delineado pela coloração imunocitoquímica de VIP ou somatostatina, não é afectado por aumentos ou diminuições acentuados nos níveis de esteróides gonadais na idade adulta. Assim, um tamanho feminino normal do BSTc foi descoberto numa fêmea controle com níveis de androgénios aumentados e em duas fêmeas controle pós-menopausa com baixos níveis de esteróides gonadais. Além disso, um tamanho masculino normal do BSTc foi descoberto num macho controlo com elevados níveis de estrogénios provocados por um tumor adrenal feminilizante e em dois machos controle que foram orquidectomizados como resultado de cancro da próstata. A possibilidade de que mudanças dependentes dos esteróides gonadais na expressão de VIP ou do neuropeptido somatostatina estejam na base das mudanças do volume do BSTc, tal como na área preóptica da codorniz (quail), na amígdala medial do rato e na amígdala humana (Panzica et al., 1987; Giedd et al., 1996; Cooke et al., 1999), não é apoiada por esses seis casos que revelam mudanças acentuadas nos níveis de esteróides gonadais, embora o volume do seu BSTc seja normal para o seu género (Zhou et al., 1995; Kruijver et al., 2000).

Além das acções directas dos esteróides gonadais sobre o BSTc, a emergência tardia de diferenças sexuais no volume do BSTc pode reflectir mudanças sexualmente dependentes relativamente tardias nas áreas do cérebro que abastecem o BST com a sua inervação VIP-IR, tais como a amígdala (Eiden et al., 1985), a qual aumenta de tamanho numa proporção maior nos machos do que nas fêmeas entre os 4 e os 18 anos de idade (Giedd et al., 1996). Embora as diferenças sexuais nos esteróides gonadais constituam o factor mais provável para desencadear a diferenciação sexual do BSTc e da áreas que inervam o BSTc, Chung et al. (2002) não excluem a acção de mecanismos independentes dos esteróides gonadais sobre a diferenciação sexual do cérebro, tais como uma expressão local de genes do sexo cromossómico (Reisert & Pilgrim, 1991). Um gene candidato para um tal efeito é o gene SRY, o qual foi revelado ser transcrito no hipotálamo humano adulto e no córtex dos machos mas não nos das fêmeas (Mayer et al., 1998).

Assim, tendo em consideração todos estes estudos, a nossa perspectiva sobre a relação entre o volume do BSTc e a sua diferenciação sexual tardia e a transexualidade torna-se mais segura. Com efeito, os transexuais recebem a sua primeira consulta entre as idades de 20 e 45 anos, as quais coincidem com o período de divergência sexualmente dependente do volume do BSTc descoberto nos estudos de Chung et al. (2002) e de Van Kesteren et al. (1996). No entanto, estudos epidemiológicos mostram que a consciência de problemas de género está geralmente presente muito precocemente. Com efeito, 67-78 % dos transexuais na idade adulta relatam terem tido fortes sentimentos de terem nascido num corpo errado desde a infância (Van Kesteren et al., 1996), o que apoia o conceito de que os distúrbios nos níveis de esteróides gonadais fetais ou neonatais estão na base do desenvolvimento da transexualidade. Além disso, as observações de que o uso de fenobarbital (phenobarbital) ou difantoin (diphantoin) durante a gravidez, os quais afectam os níveis dos esteróides gonadais, aumenta a prevalência de transexualidade nos recém-nascidos, suportam este conceito (Dessens et al., 1999).

Assim, as raparigas que foram expostas a níveis elevados de androgénios enquanto crianças por causa da hiperplasia adrenal congénita revelam uma elevada incidência de problemas de género, o que fornece suporte empírico para o conceito de uma programação de desenvolvimento precoce desta desordem (Meyer-Bahlburg et al., 1996; Zucker et al., 1996). A falha da diferenciação sexual acentuada do volume do BSTc no estudo de Chung et al. (2002) antes do nascimento e na infância não impede certamente os efeitos precoces dos esteróides gonadais sobre as funções do BSTc. Tal como sugerem as experiências com animais de laboratório, os níveis de testosterona fetais ou neonatais nos seres humanos devem primeiramente afectar a densidade sináptica, a actividade neuronal ou o conteúdo neuroquímico durante o desenvolvimento precoce do BSTc (Döhler, 1991; Park et al., 1997). As mudanças nestes parâmetros devem afectar o desenvolvimento da identidade de género, sem implicar imediatamente mudanças abertas no volume ou no número de neurónios do BSTc. Alternativamente, é necessário levar em conta que as mudanças no volume do BSTc nos transexuais macho-para-fêmea podem ser o resultado de uma incapacidade para desenvolver uma identidade de género tipicamente masculina. As descobertas de Chung et al. (2002) de uma diferença sexual no volume do BSTc somente visível na idade adulta sugerem que as mudanças organizacionais sexualmente dependentes da estrutura do cérebro não se limitam ao desenvolvimento precoce mas estendem-se até à idade adulta.

A evidência empírica disponível suporta o conceito de que a região central do BST está associada à identidade de género: o sentimento de ser macho ou fêmea. Este núcleo sexualmente dimórfico é maior nos machos do que nas fêmeas, independentemente das suas orientações sexuais. Contudo, o seu tamanho reduzido nos transexuais macho-para-fêmea, semelhante ao das mulheres, indica claramente essa associação à identidade de género. Ele pode constituir a base neural das perturbações de identidade de género. A transexualidade é precisamente o sentimento de desconforto com o próprio sexo biológico ou com o papel de género correspondente.

Carol Ringo & Peter Ringo (2002) mostraram que os mass media podem desempenhar um papel fundamental e positivo no desenvolvimento da identidade transexual e na identidade transgender. Machos heterossexuais e homossexuais partilham assim o mesmo sentimento íntimo de si mesmos como homens. Designaremos o transexualismo como uma «two-spirit syndrome» ou síndrome transexual, cujos pacientes devem ser alvo de cuidados médicos e de acompanhamento psiquiátrico adequado.

Em fase dos resultados expostos, conjecturamos que a própria existência da transexualidade advoga fortemente a favor do conceito de que a identidade sexual ou de género não é necessária e exclusivamente determinada por experiências de vida. A maioria dos transexuais pertencentes ao grupo primário simplesmente não possui histórias de experiências traumatizantes, relacionamentos ou doenças que pudessem explicar um tão radical afastamento da convencionalidade. E os transexuais não são destituídos de capacidades intelectuais, já que, pelo menos, um grande número deles conseguem persuadir um cirurgião a remover-lhes o pénis. Dado que já conhecemos um dos marcadores biológicos da transexualidade, o núcleo sexualmente dimórfico, começamos a compreender os mecanismos de desenvolvimento subjacentes à identidade sexual. Neste momento, o tamanho reduzido do BSTc dos transexuais, bem como a ausência de diferença sexual entre homens heterossexuais e homossexuais, não permite a sua inclusão numa classificação das homossexualidades.

Apesar de os ter incluído na sua tipologia dos travestismos masculinos, onde integra erroneamente a homossexualidade efeminada, Robert J. Stoller (1982) acaba por reconhecer que não existem semelhanças significativas entre os dois grupos, a não ser o uso ocasional de roupas femininas por parte de uma minoria de homossexuais efeminados: os transexuais primários e os homossexuais efeminados. As diferenças entre eles são abismais: o transexual não é efeminado como o homossexual efeminado mas simplesmente feminino. Por outro lado, o homossexual efeminado sabe que prefere homens como objectos sexuais, aprecia virtualmente ter um pénis, não deseja perdê-lo, usa-o sempre que possível em todos os tipos de situações sexuais e aprecia relações sexuais com homens que, em troca, demonstrem interesse pelo seu pénis. Ora, cada um destes indicadores comportamentais, sobretudo o último, constituem um anátema para os transexuais primários.

Além disso, os homossexuais efeminados, sobretudo os do tipo maricas, que têm grande propensão para o travestismo, acabam, por diversas razões, por se prostituir, sendo posteriormente levados a submeter-se à cirurgia da mudança de sexo. Este grupo constitui aquilo a que chamámos os transexuais secundários, a maior parte deles oriundos, pelo menos em Portugal e no Brasil, das classes sociais desfavorecidas, onde a instrução e a educação são mínimas, e, geralmente, propensos à prostituição, estilo de vida sexualmente promíscuo e abuso de drogas (Inciardi et al., 1999), além de problemas de saúde graves (Gooren, 1999). No entanto, não é de excluir a possibilidade de muitos daqueles indivíduos que classificámos como homossexuais hiperefeminados sejam realmente transexuais genéticos.

Embora a nossa pesquisa de terreno tenha incidido sobretudo sobre os homossexuais masculinos e femininos, no seu decorrer confrontamo-nos com alguns casos de transexualismo. Destes casos apenas dois parecem ser verdadeiramente transsexuais: um transexual macho-para-fêmea homossexual e outro transexual fêmea-para-macho homossexual. Os restantes são claramente casos de pseudo-transexualismo: indivíduos do sexo masculino cuja orientação sexual era homossexual e que, devido a diversas pressões e a uma história de vida altamente estigmatizante, se submeteram a diversos tratamentos, nalguns casos à mudança de sexo, para se converterem em «fêmeas». Os machos homossexuais que se transformam em transexuais seguem geralmente o seguinte padrão: embora a maior parte deles tenda a ser do tipo efeminado, quer sejam efeminados ou masculinizados, eles começam por ser travestis e, a partir desse momento, são alvo da crítica homossexual. Segregados da comunidade homossexual dominante, eles continuam a frequentar os «meios homossexuais», ao mesmo tempo que, como grupo, se dedicam à prostituição. A dinâmica de grupo, bem como o seu estilo de vida, leva-os a querer mudar de sexo: além de se vestirem e de se comportarem como «mulheres», uns fazem tratamentos hormonais e outros, mais arrojados, submetem-se a cirurgia de mudança de sexo. Compreende-se que um «cérebro feminino prisioneiro num corpo masculino» queira ter um corpo conforme ao seu cérebro, mas o mesmo já não pode ser dito dos machos homossexuais que não apresentam nenhuma disfunção sexual aparente. O seu cérebro até pode ser feminino nalgumas características sexualmente dimórficas, mas os seus órgãos sexuais funcionam e são usados como fonte de prazer sexual. A prova está num dos casos: um indivíduo que, antes do travestismo e do transexualismo, se casou heterossexualmente e teve um filho! Seja como for, os estudos revelam que os machos homossexuais, tal como os machos heterossexuais, têm uma identidade de género adequada ao sexo: a via de desenvolvimento masculino é, também neste sentido, semelhante entre os homens homossexuais e heterossexuais.

Hoje, dado já conhecermos alguns genes associados ao transexualismo (Henningsson et al., 2005), o estudo destes indivíduos pode vir a facilitar a nossa compreensão da orientação sexual, especialmente da homossexualidade, recorrendo igualmente a outros modelos animais, nomeadamente o do carneiro (Roselli et al., 2002). A pesquisa genética (Henningsson et al., 2005) confirmou a existência de 3 polimorfismos associados ao transexualismo: o gene receptor dos androgénios, o gene da aromatase e, sobretudo, o gene receptor dos estrogénios (Erbeta). Daqui resulta que esta categoria sexual não pode ser integrada no âmbito da homossexualidade masculina.
J Francisco Saraiva de Sousa

59 comentários:

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Bom Dia Papillon

Respondo aqui neste post porque o outro está distante. Obrigado pelo comentário feito ao comentário do Kalu.
Hoje apresento um post de revisão para evitar a acusação de "parcialidade": não sei o que tal termo significa!
Pensei ligeiramente noutros comentários, mas não tenho tempo para examinar todos e responder, até porque exige muito texto. Essa coisa do "concordo ou não concordo" é muito voluntarista: há a coacção e a liberdade do conceito! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Apesar de tudo, tenho constatado que aqui na blogosfera existe um código ético e, pelo menos, ao nível dos bloguistas, há uma política de links honesta. Isto significa que o animal humano mesmo nos espaços mais não-espaciais é sempre um animal moral!

Aveugle.Papillon disse...

Caro F.,

"Parcialidade" significa, concretamente, relegar as mulheres, do ponto de vista analítico, para fenómenos de segunda. Só assim se explica e passo a citar: "e as mulheres também..." "e as lésbicas outrossim..." e exemplos análogos. Qualquer pessoa com bom senso os identifica imediatamente.

É óbvio que como sua admiradora, não obstante o acima recorrente, cansa-me sublinhá-lo de cada vez que acontece. Até porque parece que só eu é que o noto, podendo parecer alguma tonta-histérica-feminista, predicado(s) que, como inteligente que acredito que é, já se terá apercebido que não o(s) tenho.

O meu acto "voluntarista" foi no sentido de firmar uma co-incidência, não foi para justificar a minha perspectiva que é autónoma e racional, logo, assumida exclusivamente por mim.

Daí que o meu corolário seja: o animal humano mesmo nos espaços mais não-espaciais é sempre um animal moral!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Quando mencionei o "voluntarista", não me referia a si, Papillon.
"As mulheres também" significava, naquele contexto, que tb tenho dados sobre elas, omitidos naquele post. Mas já postei sobre as mulheres. Aliás, nunca as excluo, porque trabalho com as "diferenças sexuais": os estudos sobre mulheres estão sempre presentes. Devo acrescentar que contei com a ajuda de muitas colaboradorAS.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Estava a pensar que Portugal beneficiava muito em termos mundiais (imagem internacional) se fosse mais liberal nestes assuntos.
Há um desfasamento entre os discursos oficiais e as realidades portuguesas. Até a Espanha "socialista" foi mais corajosa! Talvez a JS retome algumas ideias daqui e resolva ser mais determinada, esclarecida e liberal que o grupo parlamentar e o governo socialista.
Uma coisa que me arrepia é a hipocrisia: ver um político fazer uma coisa em espaço "reservado" (um urinol é reservado?) e dizer outra em público. Ou melhor, o que choca é a discrepância: ter um discurso conservador que nega a própria realidade, a começar a dos seus "autores".

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O ministro da economia devia ter pensado nisso na sua promoção de Portugal. "Imagem liberal" conjugada com a tão falada "tolerância" portuguesa. A hipocrisia não faz sentido neste momento!

Aveugle.Papillon disse...

Bom, que as "mulheres estão presentes", isso também acredito, pelo menos como termo menor da comparação.

Mas, como lhe disse, este tipo de conversa cansa-me: é circular! Comentei o que disse o Kalu, porque desde que frequento este blog, apareceu o primeiro homem sensível e com "tomates"... e como fala de coragem política, vem mesmo na calha!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mas voltando ao assunto deste post. Como pode verificar, não temos dados suficientes sobre os transexuais fêmea-para-macho. Parcialidade? Não! Ausência de participação dessas «mulheres», de resto bem procuradas pelas equipas de pesquisa. Neste caso neuroanatómico, não havia esses sujeitos. :(

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Papillon

Está a ser parcial: já tratei das mulheres em diversos posts, incluindo um sobre os feminismos!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Também fico cansado com este tipo de conversa: em vez de avançar no plano das ideias e dos conceitos, discute-se o "sexo" de cada um, como se homens e mulheres fossem a "mesma coisa". Não faz sentido!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Bloqueio cognitivo! Puf

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Discutir "palavras" ou frases fora do texto não é discussão científica ou filosófica ou mesmo séria: uma teoria não é derrubada por palavras soltas! Por isso, tenho criticado o ensino das Humanidades que parece ser a imagem corporificada do preconceito: "letras = tretas". Que tristeza! :(

Aveugle.Papillon disse...

Ok, as minhas "letras e tretas" n o mais "bloquearão cognitivamente".

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Papillon

Ok, se está "chateada" hoje, relaxe, porque já entendi que quando fica assim não abre o espírito! Have a nice day! :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mamemimomu... Papillon, esperava que debatesse o devir mulher do Deleuze... e meditasse na mente feminina prisoneira num corpo masculino, retomando o tema da perturbação da identidade corporal. Mas, em vez disso, kakekikoku.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Ok, vou avançar sozinho, sem a Borboleta.
Há a tendência para classificar os transexuais masculinos (macho-para fêmea) em função da orientação sexual: homo-orientados e hetero-orientados. A amputação do membro viril e sua substituição por uma "vagina" é vista de maneira diferente: as transexuais do segundo tipo são ginéfilos e sentam atracção por "amputados", além de serem eles próprios amputados. Há aqui uma perturbação de IDENTIDADE CORPORAL, enquanto os primeiros sofrem de perturbação de identidade de género. Contudo, estas breves indicações visam apenas iluminar a realidade: precisam ser testadas.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Agora posso brincar com este paradoxo da transexualidade masculina.
Os transexuais macho-para-fêmea homo-orientados são andrófilos: enquanto têm pila são "homossexuais", depois da cirurgia convertem-se em "heterossexuais".
Os transexuais macho-para-fêmea hetero-orientados são ginéfilos: enquanto têm pila são "desejo de amputação", depois de amputados convertem-se em "lésbicas amputadas", portanto, homossexuais (femininos). No fundo, são "anti-pilas"!
A primeira via é compreensível, a segunda é intrigante.
Sei que a Papillon não vai resistir a tal desafio! :)))

Aveugle.Papillon disse...

Ok. Voltei. Mas que isto não represente cedência de espécie alguma nesta batalha entre a mulher e a misoginia. É apenas um entre-acto.

A sua hipótese é muito interessante. Mas precisava de se perceber se as homo-orientadas, apesar de "andrófilas", n têm realmente aversão ao seu falo, porque eu acho que têm, e nessa medida têm uma perturbação de identidade corporal. Porque se fossem apenas homossexuais, teriam aversão a vaginas (como é típico dos homossexuais masculinos) e elas querem ter uma, n faz sentido.

Segundo aspecto: as hetero-orientadas, as ginéfilas, têm atracção exclusiva por amputadas ou tb se atraem por mulheres que já nasceram com vaginas? Isto ajuda a esclarecer. Ou "amputadas" é uma maneira perversa de caracterizar o ser feminino??? Hummmm?
É que "anti-pilas" faz parte da defnição de lésbica, independentemente de ser amputada (agora no sentido literal) ou não.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Um jogo de pernas? :)
Pois, Papillon, também gostava de compreender melhor as mentes transexuais.
Misogenia não faz sentido...

Aveugle.Papillon disse...

Sim, tem razão, misogEnia n faz sentido, porque é misogInia q se escreve.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Ok, brinque com os lapsos.
Não conheço ninguém na segunda situação. Sim, algum(as) fazem sexo com lésbicas não-amputadas.

Aveugle.Papillon disse...

Ok, então acho q qq transexual tem perturbação de identidade corporal. A perturbação de identidade de género é difícil de discernir, sobretudo no caso das hetero-orientadas.

Mas este tema é muito interessante.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Eu penso que eles, após a cirurgia, ficam de certo modo "confusos": acordar com uma "vagina" deve ser no mínimo "estranho". Quando ela começa a ficar "operacional", eles/as devem passar por aquela fase da experimentação. É provável que a testem com outros transexuais (fase lésbica), antes de testá-la com homens. Uns dizem ser "bissexuais".
Se aplicarmos o modelo da amputação, será necessário estudar os amputados melhor, porque existem pessoas com preferências por amputados (pernas, braços, mãos, etc.).

Aveugle.Papillon disse...

O desejo por amputados, n será por semelhança fálica? Porque, penso: o que terá de erótico um amputado? E talvez seja por que o coto faça lembrar a cabeça do pénis? N sei. Lembrei-me.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Papillon

Só o grupo dos hiperefeminados exibe alguma dificuldade em usar a "pila", mas a maioria não deseja trocá-la. Excitam-se e masturbam-se: tocam nela! Isto significa que até mesmo neste grupo a identidade de género não está perturbada. Eles não desejam ser mesmo "mulheres" no sentido de quererem mudar de sexo.
Nos outros tipos de homossexuais esse orgulho de ser homem é inquestionável. E não há vaginofobia! Ser gay significa ser andrófilo, não vaginofóbico.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Que falo mais inestético! Infelizmente, só tenho dados sobre essa atracção, mas nenhum estudo mais neuro. Tanto quanto sei ainda não foram realizados esses neuro-estudos. A ressonância magnética funcional era capaz de dar pistas!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mas penso que está ligado à DOR, porque muitos auto-amputam-se, correndo risco de vida. Um pouco humilhante em termos de sexo! Talvez...

Aveugle.Papillon disse...

Pensei q o q estivesse em causa fosse os transexuais.
Por transexual já entendo alguém insatisfeito com o sexo biológico, com a pila ou a vagina com q nasceu.
Um homossexual mesmo hiperefeminado n é necessariamente um transexual. Penso q n tenha confundido isso.

"Falo inestético". Há falos feios e bonitos. Parece-me claro q estamos a falar de uma perturbação.

Ok, auto-amputam-se, então terá a ver com masoquismo. :)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Talvez em parte e com outras síndromes: auto-flagelação e, de certo modo, auto-destruição. Aí temos o modelo animal dos ratos. Vou reactualizar essa informação, até porque a recebo e imprimo. Uma pista!

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Estou com o último artigo a ser publicado sobre o desejo de ter uma amputação. Sinais: tentativas de amputação, angústia elevada, danificações. Mas esse desejo é visto como um novo tipo de perturbação de identidade. Portanto, uma disfunção do próprio sentido da identidade anatómica (a única novidade, sic), isto é, corporal. Nenhuma novidade. :(

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Um caso de incesto: 15 anos a fafar com a filha! Alguma pista?

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Papillon

Há uma sobreposição entre as perturbações de identidade de género e de identidade corporal. Logo o transexualismo pode ser apreendido pelo modelo da amputação: apotemnofilia (do pénis). O desejo de amputação manifesta-se muito precocemente, antes mesmo dos oito anos. Bate certo... :)))

Aveugle.Papillon disse...

Sim, as perturbações de identidade corporal desencadeiam comportamentos auto-destrutivos. Por exemplo, meninas que foram violadas, tornam-se anorécticas ou começam-se a cortar (auto-mutilação) para se tornarem "feias" ou "infantilizadas" e desta forma protegerem-se de possíveis violadores.

[Afinal, a minha hipótese era para lá de imaginativa... eheheh]

Ui! O incesto é algo muito complexo e interessante! Talvez ainda mais que a transexualidade! Mas, o pai já tinha relações com a filha, antes dos 15 anos, ou seja, era pedófilo e prolongou a relação depois da puberdade?

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim, andou envolvido 15 anos com a filha, aos oito anos (dele) tentou amputar-se, achava que não tinha o corpo completo (quando estava integral), excitava-se com os amputados e amputou os membros para ter o corpo completo. Sobreposição de indicadores!
Resta explicar como o tamanho do núcleo do leito da estria terminal está associada a tudo isso. Está com a identidade de género. E como os estrogénios agem neste complexo.
Sim, o modelo da auto-mutilação! Já tinha referido. Ratos...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Pedófilo! No outro post falámos disso. Erros de localização do alvo erótico. Estruturas neurais envolvidas e...

Aveugle.Papillon disse...

Bem, ele era claramente demente.
Quer dizer, além de perturbação de identidade corporal, violou a filha durante 15 anos?

:(((

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

A Papillon não me vai convencer a editar post sobre incesto tão cedo. Muito polémico. Apenas um caso: prof universitária a fafar com o pai. Mãe destruida mas presente! Pai e filha amam-se: a mãe assiste anestesiada. Eles funcionam como casal. A mãe lá está... Mais não...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

As pernas são as da Papillon?

Aveugle.Papillon disse...

Ah.... vá lá! Edite, sim! Super-interessante!

Se editar, eu digo-lhe de quem são as pernas.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

O incesto e, em sentido mais amplo, de relações sexuais entre familiares próximos, é um tema marginal em relação à minha pesquisa. Não estava planeado: surgiu associado a outros temas investigados.
Aparentemente o incesto pai/filha é mais frequente do que o mãe/filho, embora haja casos em que a mãe utiliza, por exemplo, os gémeos ao mesmo tempo: os três na cama. Penso que este abuso dos filhos pela mãe "apaga a masculinidade dos filhos". Muitas vezes este abuso pode não chegar ao plano sexual, o que paradoxalmente parece ser mais grave em termos de desenvolvimento psicológico.
Existem muitas teorias para explicar o incesto, mas infelizmente sabemos pouco sobre a matéria. Sexo entre irmãos e primos ou entre tios(as) e sobrinhos(as) é mais frequente e aparentemente sem efeitos negativos: enquadram-se na longa fase de exploração do sexo e ocorre em idades muito precoces. Brincadeiras? Talvez...
Os homossexuais masculinos e femininos recordam geralmente alguns desses episódios e também abuso sexual.
As vinculações prolongadas, como é o caso dos pais e filhos, são sistemas afectivos (formas de amor parental e filial) e, segundo os modelos animais, essas relações raramente tornam-se sexuais.
Mas quando tiver mais tempo explico isso melhor num post. Responde? (Estou a brincar.)

Aveugle.Papillon disse...

Ok, obrigada. De qualquer maneira um post seu sobre o incesto será sempre muito interessante. :))

Vários romances, filmes tocaram o incesto, e é sempre um tema estranho, lá está - "tabu" como disse o Sr. Freud.
Lembro-me de quando tinha 13, 14 anos sonhar umas 2 ou 3 vezes em que tinha relações sexuais com o meu pai e da qual tinha prazer. Acorda-se com uma sensação de quase-terror. Mas falando com amigas na altura, percebi que algumas tinham sonhos semelhantes, sobretudo as que viviam com os pais (que o pai vivesse na mesma casa), o que me faz pensar que eu teria de me inciar sexualmente com o meu pai para depois experienciar o mundo. Depois dessa idade nunca mais tive sonhos assim.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Hummmm... Freud! Não sei porquê, mas faço quase sempre uma leitura diferente da de Freud. Mas compreendo o sentido desses sonhos. mas penso que não é necessariamente sexual. Pode ser sexualizado por outras razões. A sexualidade tão vulgar e corriqueira é um desafio teórico total.
Contudo, nessas idades as relações com os pais devem ser muito cautelosas. Brincar com o pai, sentar-se no colo do pai, ver o pai nu, etc. não faz bem... Uma filha pode excitar o pai e ocorrer aquele momento de descontrole. Mas isso só acontece quando o pai mas também a filha tenham qualquer traço que favoreça tais comportamentos. Talvez a pesquisa devesse centrar-se mais no caso mãe/filho: são provavelmente mais raros, mas nos casos em que acontece deve ser mais fácil visualizar o traço da mãe. Um assunto complexo para expor aqui. Talvez noutro dia.

Aveugle.Papillon disse...

Sempre vi os meus pais e irmão nus, a porta da casa-de-banho n se fechava... Enfim.
Não me vou deitar no divã, como é óbvio, mas um pai excitar-se com a filha é preciso descontrole (mesmo!) total.
George Bataille tem um romance excelente sobre o incesto mãe-filho.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Durante muito tempo inclinei-me por uma hipótese genética e ainda não desisti dela: não estamos programados para cometer incesto, até porque não há vantagens nesse comportamento. Os estudos etológicos também apontam nesse sentido e a sociobiologia também.
Mas em determinadas circunstâncias isso pode suceder como um equívoco, sobretudo quando o pai não está muito presente na educação dos filhos ou tenha qualquer tipo de perturbação. Com isto pretendo dizer que esse comportamento pode suceder mais frequentemente (mesmo que não consumado) do que se pensa. E não devemos ser "carrascos", porque a lei cria os seus criminosos sem fazer distinções correctas. (Veja o caso da pedofilia: um exagero.)

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Mas devemos estar ATENTOS e estudar esses comportamentos: a gramática humana pode ser bem compreendida.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Sim, também vi todos nus, mas falou num sentido diferente de nu: não tapavam mas também não exibiam. Isso deve ser a normalidade! Há as excepções: aquelas que interessam.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Quem espia os nossos diálogos deve ficar "abananado".
Mas digo-lhe outra: um homem que ande sempre nu em casa mesmo com as janelas abertas, sem se importar, pode conduzir a universos curiosos. Sobretudo quando esse comportamento é claramente exibicionista: busca novidade e é presa fácil. Etc.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Já é tarde... Por exemplo, um tal homem coloca a mulher numa situação difícil e de grande ciúme, sobretudo quando ela já sabe que ele não é de confiança. Quanto mais ele se solta, mais ela se fecha. Esta dinâmica é destrutiva para ela: fica isolada e pode ser alvo de violência (doméstica). O homem controla tudo e, sem se aperceber, ela está isolada até da família. Etc.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

No fundo, ele é sexualmente promíscuo e compulsivo... Começam a ressurgir as mesmas variáveis... Boa noite!

Aveugle.Papillon disse...

hmmmm... ok; divagou!
Sim, mas o homem é um animal perigoso!
Com as crianças, em limite, n devemos confiar neles. Pode ser terrível o que estou a dizer, mas é no que eu acredito. Para mim têm sempre uma margem de imprevisibilidade, de bestialidade, que pode irromper e desgraçar.

Se as pessoas ficam abananadas, só tem 2 hipóteses: ou falamos com as "janelas fechadas" ou só falamos de temas que as pessoas n ficarão abananadas. Como queira.
Boa noite.

Aveugle.Papillon disse...

http://clix.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/272062

A "Única" trará lésbicas em assunção pública. Numa produção muito feia.

BEJA TRINDADE disse...

Iraque

200 americanos presos por protestarem contra a guerra.
Mais de 200 pessoas foram presas nos Estados Unidos, na quarta-feira, quando protestavam pela ocasião do 5º aniversário da invasão do Iraque. Segundo a Reuters, obstruíram partes das cidades e bloquearam o acesso aos edifícios governamentais

Eis aqui, a liberdade e democracia exemplar!...

BEJA TRINDADE disse...

Manifestação

Reforma social causa greve de milhões na Grécia
Milhões de gregos aderiram à greve geral de 24 horas na quarta-feira, contra o plano de reformas, cancelando voos, fechando escolas, ministérios e bancos.

A luta continua!...

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Boa Tarde Beja Trindade

A luta continua... Haverá sempre lutas, mas, se o seu objectivo for unicamente "garantir uma vida metabolicamente reduzida", estão no mau caminho. Como mostrou Vilfredo Pareto ou mesmo Mosca, as elites circulam constantemente, distribuindo umas migalhas pelo «povo».
Para mim, o que interessa neste momento é a própria Civilização Ocidental e o seu futuro: esta é a minha luta. Mudança qualitativa total, não meras lutinhas...

BEJA TRINDADE disse...

J. Francisco Saraiva de Sousa

Já deu para entender, que para si, as pequenas lutas não terão grande significado, por isso é defensor das lutas megalómanas.
Mas caro amigo, é com as pequenas lutas que se criam as condições para as grandes lutas.
Com essa sua teoria, faz-me lembrar ex. camaradas meus de trabalho, que não faziam greve por ser de um só dia, se fosse greve de três dias ou mais, não faziam porque eram muitos dias, ou seja, havia sempre desculpas para não fazerem greve, da mesma forma que Marcelo Rebelo de Sousa.
Devo concluir da sua análise que, lutas para quê? Afinal até estamos "bem e no bom caminho"

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Não sou contra essas lutas, mas deviam ter objectivos mais "elevados": aprofundar a democracia e a cidadania, combater a corrupção e as desigualdades, defender a liberdade, a educação e a Qualidade de VIDA... :)

BEJA TRINDADE disse...

São essas as causas e valores que sempre defendi, daí a razão de estar com todas as lutas, sejam elas pequenas ou grandes.

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Beja Trindade

Então por caminhos talvez diferentes defendemos os mesmos objectivos. :)

Siona disse...

"Pois, Papillon, também gostava de compreender melhor as mentes transexuais."

Bom, really not that complicated... são mentes iguais a quaisquer outras. É uma explicação prosaica, mas, bolas, o mundo não tem a obrigação de deslumbrar sempre.
Confesso que eu é que não consigo compreender como uma só pessoa consegue produzir tanto disparate em tão poucos (bom, nem tanto tão poucos) parágrafos. Você deve ser um bicho esquisito.
Perdeu-se da nave mãe?